Arquivo de maio de 2012

quinta-feira, 31 de maio de 2012

Pertinho das estrelas

E não é força de expressão, não. Há pouquíssimo tempo a empresa americana Spectral Instruments lançou a câmera fotográfica batizada por: 1110 Series. O dispositivo tem surpreendentes 112 megapixels (levando em conta que as câmeras profissionais têm, em média, 14 megapixels).

O aparelho é tão avançado que é possível fotografar o sol e até as estrelas mesmo durante o dia! Para tanto, a câmera não é das menores, tem um sensor luminoso que é três vezes maior que uma máquina fotográfica de alta performance.

A ideia da empresa é produzir versões caseiras para fotógrafos profissionais. O problema é o alto custo de produção, então a Spectral Instruments está em busca de parceiros e patrocinadores que estejam dispostos a dar ainda mais corpo ao projeto. Talvez esteja aí a chance dos apaixonados por fotografias ficarem ainda mais próximos das estrelas.

quinta-feira, 24 de maio de 2012

Tratando derrames com vídeo game!

Apesar da rápida evolução da medicina, algumas doenças ainda não têm uma prevenção, ou tratamento 100% eficiente. O derrame, por exemplo, preocupa muitos médicos, já que a perda total dos movimentos em alguma parte do corpo é uma das sequelas mais comuns. Até hoje, a melhor das opções era a fisioterapia, mas graças ao avanço da tecnologia e o interesse da Universidade de Newcastle sobre o assunto, uma nova alternativa surgiu: que tal incluir no tratamento um jogo de vídeo game?

O Circus Challenge, como foi batizado o game, foi desenvolvido para trabalhar a coordenação motora dos pacientes. A empresa Limbs Alive gostou e resolveu investir na ideia dos alunos. No fim das contas, chegaram a um resultado e tanto: através de controles remotos sem fio, os personagens são coordenados de acordo com os movimentos dos braços e mãos dos jogadores – tratando tanto quanto sessões de fisioterapia, mas de uma forma bem mais divertida.

Agora, o problema que muitas famílias encontravam com o desânimo das vítimas e os tratamentos monótonos, se não acabou, ao menos diminuiu muito. O jogo, além de ser uma alternativa mais barata e eficaz, é desafiador e divertido, o que mantém os pacientes atentos, concentrados e motivados a buscar desempenhos cada vez melhores.

quinta-feira, 10 de maio de 2012

Da série: produtos 2 em 1

Não faz muito tempo que mostramos aqui um pedal de bicicleta que era trava e vice-versa. Agora a ideia também é para os ciclistas de plantão: uma luva luminosa para indicar o rumo que a pessoa vai seguir com a magrela e, de quebra, proteger do frio do inverno que vem chegando.

O projeto é da empresa Irene Posh e, assim como o pedal, veio para priorizar a segurança do ciclista nas ruas. O sistema é muito simples: pequenas lâmpadas LED’s no dorso da mão que são acesas quando o círculo elétrico é fechado. Com o cerrar dos punhos, esse círculo é ativado tendo como fonte de energia uma pequena pilha moeda fixa no pulso da luva.

A onda de veículos não poluentes e os movimentos à favor do uso das bicicletas só vem crescendo. O grande problema é que com isso o número de acidentes de trânsito envolvendo ciclitas também subiu. Essa, é apenas mais uma opção para reverter essa infeliz situação e impedir que desistam dessa iniciativa.

quinta-feira, 10 de maio de 2012

Controlando um Iate pelo iPad

E não pense que é exagero ou o iate é miniatura. Na verdade o projeto foi feito exclusivamente para o bilionário chinês, Anto Marden. Avaliado em mais ou menos R$ 45 milhões de reais, o designer John Shuttleworth desenvoleu um iate de luxo que pode ser controlado via iPad a pedido do ricaço.

Os comandos podem ser enviados com até 50 metros de distância do iate e rendeu muita pesquisa e dedicação por parte da equipe do designer. A relíquia suporta até 15 pessoas (entre tripulantes e convidados), chega a uma velocidade de até 22,5 nós e é capaz de fazer uma viagem do Reino Unido até Nova York sem a necessidade de reabastecer. Ou seja, além de inovador é quase uma nave!

terça-feira, 8 de maio de 2012

Tem coleção nova da BUILT!

Sempre inovando, a nossa parceira Built NY lançou há pouco uma coleção especialmente feita para quem vive na correria do dia a dia. A City Collection é uma linha toda pensada para facilitar até as atividades mais singelas, como procurar uma chave perdida no fundo da bolsa. Os modelos contam com divisões internas para não se perder na bagunça, além de visar o conforto com duas opções de alças: uma para carregar no ombro ou duas para levar na mão, dependendo da preferência.

Além disso, são internamente acolchoados para manter protegidos os eletrônicos, fora as cintas elásticas internas para segurar notebooks de até 16 polegadas. Com design discreto e elegante, a coleção é toda feita com tecidos impermeáveis para evitar problemas com as mudanças de tempo nada previsíveis da cidade.

terça-feira, 8 de maio de 2012

Sonhos sob controle

Quem nunca quis segurar as rédeas dos seus sonhos, não é mesmo? Já que o mundo imaginário é sem limites, nada melhor que viajar por longas histórias durante o sono. Dizem que essa vontade universal acaba de se tornar uma possibilidade: nasceu há pouco a Remee, uma máscara de dormir que ajuda a influenciar a narrativa da sua imaginação noturna.

Existe uma teoria antiga afirmando que, em determinada fase do sono, estímulos externos podem ser incorporados aos sonhos no momento em que são reconhecidos pelo corpo. E foi entrando a fundo nesse estudo que os criadores do projeto desenvolveram a máscara. A partir de pequenas lâmpadas LED em sua parte interior – estimuladas de acordo com o movimento dos olhos fechados, uma ação involuntária que acontece durante a fase do sono relacionada à teoria -, sequências de luz interferem na narrativa do sonho. As luzes podem aparecer em forma de faróis de carros, do céu vermelho e piscando ou qualquer outra coisa que as relacione até o cérebro perceber que o efeito é dado pelo aparelho. Então, a partir daí, o sonhador passa a dominar a narrativa de forma lúcida.

O projeto está em um site chamado Kickstarter, onde as pessoas postam suas ideias e contam com apoio financeiro de interessados para tirá-las do papel. A Remee precisava de 35 mil dólares para tornar a ideia um produto comercial. Moral da história? Estão com saldo maior que 100 mil para investir no negócio, e há boatos de que em poucos meses a máscara já seja produzida para venda no mercado.